Roma,
5 de maio de 2018

Celebração de Ação de Graças
presidida pelo Papa Francisco.
Universidade de Roma Tor Vergata.

  • 0
    0
    Dias
  • 0
    0
    Horas
  • 0
    0
    Minutos
  • 0
    0
    Segundos

Celebração

Em 5 de maio, o Papa Francisco preside a Celebração em Ação de Graças pelos 50 anos do início do Caminho Neocatecumenal na diocese de Roma, de onde passou a se difundir pelos demais países da Europa e dos outros quatro continentes.

“Em 4 de setembro de 2017, o Papa Francisco recebeu Kiko Arguello e Pe. Mario Pezzi em audiência para tratar sobre a celebração dos 50 anos do Caminho Neocatecumenal”


A expectativa é que 200.000 pessoas de todas as partes do mundo participem do encontro, entre elas, 2.000 brasileiros. O evento começa às 10h (hora local) na Universidade de Roma Tor Vergata, sendo que a celebração com o Santo Padre está marcada para às 11h.

Neste dia, após o canto do hino de Ação de Graças, o Te Deum, o Papa Francisco fará o envio das Comunidades em Missão de Roma. São comunidades inteiras que já concluíram as etapas do Neocatecumenato e renovaram as promessas batismais que passam a viver a fé em paróquias de regiões mais difíceis de Roma para, ali, ser um sinal e testemunha do amor de Cristo e luz das nações, dispostos também a auxiliar os párocos nos trabalhos pastorais, ministérios e demais necessidades. O Santo Padre também fará o envio de novas missões ad gentes.

História

O Caminho Neocatecumenal começou nas favelas de Palomeras Altas, periferia de Madri, em 1964

Com a aprovação definitiva dos Estatutos, em 2008, a Santa Sé reconheceu o Caminho Neocatecumenal como um itinerário de formação católica para adultos que está a serviço do Bispo como uma das modalidades de realização da iniciação cristã e da educação permanente na fé.

Este Itinerário de redescobrimento do Batismo, similar ao que faziam os primeiros cristãos antes de serem batizados, se realiza nas paróquias, vivido em comunidades constituídas por pessoas de diversas idades e condição social que, gradualmente, vão sendo levados a intimidade com Jesus Cristo, se tornando sujeitos ativos na Igreja e testemunhas da Boa Nova do Salvador.


Início

O jovem e famoso pintor espanhol Francisco José Gomez Arguello Wirtz nasceu em 1939, em León, Espanha. Apesar da carreira promissora, Kiko viveu um período de crise existencial em que questionava o sentido da vida. Após passar por uma experiência profunda de conversão, deixou tudo e apenas com um crucifixo, uma bíblia e um violão, foi viver na favela, entre os drogados, prostitutas, ambulantes, os mais pobres, para que no sofrimento deles pudesse encontrar e contemplar a Jesus Cristo, seguindo as pegadas do francês Beato Charles de Focauld (1858-1916).

Neste ambiente, Kiko conheceu Carmen Hernández, espanhola nascida em Ólvega em 1930, filha de um importante empresário da época.

Carmen se formou no Instituto Feminino As missionárias de Cristo Jesus e licenciou-se em Teologia com os Dominicanos de Valência, Espanha. Descobriu a renovação do Concílio Vaticano II através do liturgista Monsenhor Pedro Farnés Scherer. Depois de dois anos em Israel, em contato com a tradição viva do povo hebreu e os lugares de Terra Santa, foi para Madri com a esperança de formar um grupo de missionárias para evangelizar na Bolívia. Porém, em Madri, encontrou-se com Kiko Argüello entre os pobres e passou a morar num barraco em Palomeras Altas.

A pedido destes mesmos pobres com os quais viviam, Kiko e Carmen lhes anunciavam o Evangelho, e, aqueles, por sua vez, davam uma ressonância diante da Palavra proclamada, manifestando os primeiros reflexos do amor de Deus na vida de todos. Assim, nasceu a primeira comunidade fundamentada sobre o tripé “Palavra de Deus, Liturgia e Comunidade”, que é base de todo o Caminho Neocatecumenal.

Com o passar do tempo e do apoio do, então, arcebispo de Madri, Dom Casimiro Morcillo, esta primeira comunidade neocatecumenal começou a celebrar em uma paróquia próxima, e, aos poucos, este itinerário de iniciação cristã se difundiu na arquidiocese de Madri e em outras dioceses espanholas.

Em 1968, os iniciadores do Caminho Neocatecumenal chegaram a Roma e se estabeleceram na favela do Borghetto Latino. Com o consentimento do Cardeal Angelo Dell’Acqua, então Vigário Geral de Sua Santidade para a cidade de Roma, teve início a primeira catequização na Paróquia de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento e Santos Mártires Canadenses. A partir destas comunidades, o Caminho Neocatecumenal se difundiu em dioceses de todo o mundo.

Em 1971, o presbítero italiano Mário Pezzi, missionário Comboniano, com a permissão de seus superiores, incorporou-se à equipe com Kiko e Carmen, formando assim, a Equipe Internacional Responsável pelo Caminho Neocatecumenal.

Após a morte de Carmen em 19 de julho de 2016, a missionária espanhola María Ascención Romero passou a integrar a Equipe Internacional.


Brasil

A primeira comunidade neocatecumenal do Brasil se formou em 1974 na Catedral do Divino Espírito Santo, em Umuarama, PR.

Rapidamente, bispos e presbíteros de outros estados passaram a pedir o Caminho Neocatecumenal, de forma que, após quase 50 anos, este Itinerário de Iniciação Cristã está presente em 100 dioceses, entre elas as Arquidioceses de São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belém do Pará, e demais dioceses das cinco regiões do Brasil, com 1.800 comunidades vivendo a fé em 500 paróquias.


Vocações

São inúmeros os frutos que nascem desta realidade eclesial, destinada inteiramente a Nova Evangelização. Ao longo destes 50 anos, centenas de famílias, geralmente numerosas, com oito, dez filhos, que fazem este Itinerário de Iniciação Cristã, deixam suas casas, cidades, trabalhos e se oferecem para ajudar na missão evangelizadora da Igreja, partindo para qualquer parte do mundo, sendo um testemunho vivo da Família Cristã nas regiões descristianizadas, preparando o surgimento de novas paróquias missionárias. Muitas vocações à vida monástica ou a vida como celibatárias missionárias também tem sido suscitada entre as moças, assim como centenas de rapazes que se levantam para a missão ou para o seminário.


Seminários Arquidiocesanos Redemptoris Mater

Um dos frutos desta Iniciação Cristã são os Seminários Missionários Redemptoris Mater para a formação de sacerdotes missionários.

Após amadurecer a vocação em uma comunidade, os jovens se colocam à disposição da Igreja para partir em missão para qualquer parte do mundo como presbíteros. “Seminário Arquidiocesano Redemptoris Mater de Brasília”


O primeiro Seminário Missionário Internacional Redemptoris Mater abriu-se em Roma, em 1987. Atualmente, existem no mundo 120 Seminários Redemptoris Mater, onde estão sendo formadas mais de 2.000 seminaristas. Quatros destes seminários estão no Brasil nas Arquidioceses de São Paulo, Brasília, Belém do Pará e Rio de Janeiro.